Segundo site, goleiro Maurício e lateral Bira devem abandonar o Mixto e clima é tumultuado


Se fora de campo tudo parece bem no Mixto, pois mesmo com o empate em Rio Brilhante o time montado é bom, veloz e competitivo, fora de campo as coisas não caminham bem.

O elenco segue com praticamente dois meses de salários atrasados. A diretoria do clube sob o comando do presidente Hélio Machado parece inoperante diante da situação: até o momento o Mixto não conseguiu fechar nenhum patrocínio! Os gastos do como passagens, alimentação, etc, vem sendo pago do "jeitinho brasileiro", um empréstimo aqui outro lá e com a ajuda pontual do presidente de honra Eder Moraes.


As dívidas só aumentam e o presidente Hélio fica aguardando a liberação de verbas públicas oriundas de repasses do governo do estado e da prefeitura.

O goleiro Mauricio Telles não deve mais se apresentar ao clube, o atleta deve "abandonar o barco" por que não recebeu o salário. Outro que deve ir embora é o lateral-direito Bira.

A situação só não é pior por que o gerente de futebol Tim vem tentando contornar o clima de instabilidade e segurar os ânimos aflorados de alguns jogadores.

Eder Moraes tem se comprometido somente no pagamento da equipe técnica (Ito Roque e seus auxiliares) e ajudado com alguns gastos do dia a dia e o elenco de jogadores era para ser responsabilidade de Hélio Machado. Aqui o grande impasse: Hélio e parte da diretoria cobra de Eder uma ajuda maior e Eder diz que já ajuda muito dentro de suas possibilidades. Enquanto isso tudo continua do mesmo jeito.

A novidade do Alvinegro Cuiabano foi a chegada do zagueiro Wellington, ex-Cruzeiro-MG e Botafogo-RJ, e a negociação com o lateral-esquerdo Adilio Leandro da Costa, ex-Guarani-SP.

Os treinos retomam na tarde desta quinta-feira no CT do Brasil Central e o Mixto só volta a jogar pelo Brasileiro Série D no dia 7 de julho contra o Goianésia-GO no Dutrinha.

Fonte: www.giroesporte.com.br
13/06/2013