15.3.15

"O Mixto tinha que ganhar e ganhou", desabafa Elias após vitória sobre o Operário


Técnico Elias Rosa (Foto Olímpio Vasconcelos-GE)
Neste domingo, o Mixto passou por uma situação atípica para a sua história. Jogou a última rodada da primeira fase do Campeonato Mato-grossense lutando para não cair. Com uma vitória por 2 a 0 sobre o maior rival, Clube Esportivo Operário Várzea-grandense, na Arena Pantanal. Elias Rosa, técnico contratado para comandar o Tigre nas duas últimas partidas, falou da união dele com os jogadores, e principalmente da dedicação demonstrada pelos atletas.  

- A vitória é dos jogadores. Eles que entraram em campo, e colocaram o coração na ponta da chuteira. Não foi um grande jogo, mas o Mixto tinha que ganhar e ganhou, saiu do rebaixamento. O Mixto não podia estar nessa situação, mas na última rodada nós conseguimos salvar a equipe. Esperamos que a diretoria tenha mais tranquilidade para trabalhar, se organizar melhor e levar o Mixto onde ele merece - disse aliviado ao final do jogo.

O adversário do Alvinegro neste domingo já estava classificado à segunda fase, há duas rodadas. Com o Chicote da Fronteira apático dentro de campo, o Mixto equilibrou o jogo na segunda etapa e em um erro individual do zagueiro Kall, que foi driblar na defesa, e a bola sobrou para o atacante Índio, que sofreu falta e ainda causou a expulsão do outro zagueiro, Odail Júnior. Na cobrança Kaoe abriu o placar.

- Não tenho o que falar do time do Operário, porque eles estão classificados, mas vieram para buscar a vitória. O Mixto dependia da vitória para a sobrevivência, e nós conseguimos. Eu fui muito unido com os jogadores. Durante a semana de trabalho eles ouviram o que eu queria. Eu trouxe os atletas para o meu lado, nós falamos a mesma palavra. Muitos não acreditavam, mas buscamos as duas vitórias.

Com as duas vitórias, 2 a 1 no Poconé e 2 a 0 no CEOV, nos dois últimos jogos, o Tigre fez nove pontos e ficou à frente do Sinop no grupo A do Mato-grossense, que terminou a primeira fase com oito pontos e rebaixado. O time ainda conseguiu fazer os mesmos pontos do terceiro colocado Luverdense, classificado à segunda fase.

Mesmo com os 100% de aproveitamento como treinador do Mixto, Elias Rosa não tem garantia que vai permanecer no time. Ele não esconde a vontade de continuar no clube, que deu a primeira oportunidade de trabalhar em um time profissional.

- Meu acerto com o Mixto era essas duas partidas. Eu tenho um compromisso com categorias de base em Goiás, mas se nesse intervalo o Mixto pode me contratar eu termino o meu acerto lá fora e fico. Quero continuar como técnico, mas preferencialmente no Mixto - finalizou.

Jogadores do Mixto comemoram vitoria contra o Operário (Foto Olímpio Vasconcelos-GE)




















Olímpio Vasconcelos e Robson Boamorte / Globo Esporte
15/03/2015

2 comentários :

Alonso disse...

Nesta semana, o Mixto precisa estar atento ao recurso que o Sinop disse que ia fazer junto ao TJD, que puniu por unanimidade o Sinop por escalação irregular. Conhecendo a história de mutretagens históricas do Sinop em anos anteriores, o Mixto precisa estar atento, muito atento mesmo. O TJD agiu de modo correto ao punir o Sinop por unanimidade. Escalação irregular de jogadores não cabe em torneio algum de federações ligadas à CBF e tem sido punida rigorosamente e sem vacilo nos torneios estaduais regular, formal e judicialmente ligados à CBF. A assessoria do Mixto precisa, obviamente, estar atenta ao recurso e estar devidamente representando o clube.

Anônimo disse...

Em primeiro lugar, não temos NADA para comemorar. Estamos apenas no meio do 3º mês do ano de 2015 e já estamos de férias. Essa diretoria amadora e incompetente tem o dever de entregar os seus cargos para esse CONSELHO omisso. O MIXTO está acima de tudo e todos. Entendo que deveremos unir todas as nossas forças em prol do MIXTO. Já está mais que provado que o GATÃO não tem o perfil de cartola, venha para a arquibancada que é o seu lugar, deixe o futebol ser gerido por profissionais. Senhor CRISTINO vamos convocar uma reunião urgente, para que a diretoria apresente um balanço da situação do MIXTO e se for o caso, peça a renúncia da mesma. Alguma coisa deve ser feito com urgência, chega de vexames. PAULO SÉRGIO CUNHA - JD LEBLON - CUIABÁ-MT.

Postar um comentário

Atenção: comentários anônimos não serão aceitos. Identifique-se!