25.9.15

Diretoria tem "plano B" se parceria der errado. Segundo presidente, existe um contrato


Ao contrário do que a diretoria havia anunciado não existe ainda um contrato assinado entre o Mixto e os ‘pastores investidores’ que assumiram a gestão do departamento de Futebol do clube. Foi o que revelou na noite desta quinta-feira o vice-presidente administrativo, Niltinho Assunção, na reunião extraordinária convocada pelo Conselho Deliberativo para discutir justamente os termos do contrato.

“O Niltinho esteve lá, representando a diretoria executiva e prestou todos os esclarecimentos que pedimos, mas o contrato na verdade não existe. Segundo ele, o que foi assinado no dia da apresentação do elenco foi um convênio com a Secretaria de Esportes de Chapada dos Guimarães. Mas, a cópia deste convênio não nos foi entregue. Segundo ele, com estes chamados investidores o que existe por enquanto é apenas um acerto verbal”, relatou o presidente do Conselho, Cristino Batista.

A convocação do Conselho obedeceu uma exigência do Estatuto do clube, em seu artigo 44, onde diz que : “compete ao Conselho Deliberativo… aprovar ou recusar à diretoria executiva a participar ou celebrar contrato com sociedades para fins de gestão das atividades do futebol profissional…” Batista, agora, pretende fazer uma conversa com os conselheiros para decidir que atitude tomar. “Quero de novo deixar claro que o Conselho só está cumprindo o que determina o Estatuto e sempre com o intuito de ajudar, evitar que o Mixto se complique ainda mais”, frisou.

Na manhã desta sexta o vice Niltinho reafirmou que não existe nenhum contrato assinado com os ‘investidores’ de São Paulo. “Está tudo combinado, acertado verbalmente. Mas já estamos elaborando um contrato, que será encaminhado para análise dos conselheiros e assinado apenas com a aprovação deles”, garantiu.

Também revelou que o presidente Paulo César Gatão já tem um ‘plano B’ para usar “caso não dê mesmo certo com este pessoal que assumiu o time”. O dirigente, inclusive, não teria participado da reunião com o Conselho por estar “no mesmo horário reunido com os empresários do plano B”.

Também ouvido na manhã desta sexta o presidente Gatão, que informou estar em Chapada, deu outra versão para o episódio do contrato. “Na verdade existe um contato já assinado, mas quem está cuidando disso é o nosso departamento jurídico. É um contrato de gaveta, que será mostrado para todo mundo nos próximos dias”, disse, para, em seguida, reclamar: “na verdade é muito questionamento e pouca ajuda, ficam reclamando e achando defeito em tudo, mas não colaboram em nada”.

Na quinta-feira Gatão declarou ao jornal A Gazeta que “o contrato assinado com os investidores estipula uma multa de R$ 200 mil em caso de rescisão” – tem duração de três anos. “Se quebrarmos o contrato corremos o risco de prejudicar ainda mais as finanças do clube”, alertou.

Gatão também confirmou que tem um ‘plano B’, que, segundo ele, envolve o uso de mais jogadores da equipe sub-19 que disputou o Estadual da categoria. Mas, não entrou em detalhes sobre a forma como iria bancar o time na disputa da Copa FMF.
Em matéria do Jornal A Gazeta presidente Gatão fala que existe contrato com multa de rescisão
Fonte: Craques do Rádio / Júlia Graminho - TV Record Cuiabá
25/09/2015