22.9.15

Acordo na justiça: TRT fará mutirão para Mixto pagar ex-jogadores


TRT inclui Mixto na pauta de audiência para mutirão de conciliação
Imagine ganhar uma ação na justiça e não conseguir receber os valores que tem direito. Foi o que aconteceu com os jogadores e outros empregados do Mixto Esporte Clube que, apesar de terem seus direitos trabalhistas reconhecidos pela justiça do trabalho em 2012, muitos até hoje não conseguiram receber as verbas trabalhistas. 

Para tentar resolver o impasse, uma audiência está marcada durante a 5ª Semana Nacional da Execução Trabalhista, a ser realizada entre os dias 21 a 25 deste mês no Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso. Durante a audiência, as partes vão ter a oportunidade de tentar um acordo para o pagamento das verbas.

O clube devia cerca de 30 empregados dos quais ainda restam 11 com verbas não quitadas.  Há pelo menos três anos, a Justiça do Trabalho se esforça na busca de patrimônio da empresa para pagar os trabalhadores.

Em 2012 foi designada uma audiência de conciliação, na qual ficou acordado que o clube depositaria R$ 20 mil para a quitação de 50% dos créditos trabalhistas, com início do pagamento previsto para setembro daquele ano. Em 2013 os valores ainda não haviam sido pagos. A Justiça do Trabalho passou, então, a utilizar de outros meios para pagar os empregados.

Entre os esforços da justiça trabalhista para tentar satisfazer os créditos trabalhistas está a penhora de crédito que o clube possuía com grandes empresas do ramos da comunicação e eletrodomésticos e com a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer. Como essa medida foi insuficiente para quitar as dívidas, em 2014 foi determinado que o valor arrecadado pelo Mixto Esporte Clube no jogo contra o Santos fosse depositado em uma conta judicial para sanar dívidas trabalhistas do clube.

Toda a atuação da equipe do TRT para buscar os direitos dos ex-empregados do Mixto é apenas um exemplo do empenho que a Justiça do Trabalho faz para cobrar as dívidas trabalhistas e tornar efetivo o direito do cidadão.

Fonte: Sinara Alvares/TRT 23ª Região (link)
22/09/2015