3.10.15

Diretoria executiva divulga carta em resposta à renuncia coletiva de conselheiros


NOTA OFICIAL N° 02/2015 - DIRETORIA EXECUTIVA MIXTO ESPORTE CLUBE

Cuiabá, 01 de outubro de 2015.

Nota Oficial de Pronunciamento sobre a Renúncia da Diretoria Conselho Deliberativo
  
Prezados Mixtenses,
                         Venho por meio deste cumprimentar a renomada torcida, amantes, abnegados e simpatizantes do Mixto Esporte Clube, e desde já lamentar profundamente a forma da Renúncia da Diretoria do Conselho Deliberativo do Mixto Esporte Clube e esclarecer alguns questionamentos e supostos motivos apontados por meio de uma carta renuncia da ex-Diretoria do Conselho Deliberativo.
                       Conforme alegado pelo ex Presidente do Conselho Deliberativo que a Diretoria Executiva ignora as instâncias do Clube, esta informação não é condizente com a realidade, uma vez que em todas as ocasiões o qual a Diretoria executiva foi convocada ou comunicada à mesma sempre enviou um membro representante da atual Diretoria Executiva, prova disso é que na última reunião do Conselho Deliberativo o Vice-presidente Niltinho Assunção se fazia presente e estava representando a Diretoria Executiva.
A reciproca da ex-Diretoria do Conselho Deliberativo para a atual Diretoria executiva nunca  foi à mesma, já que infelizmente todos os convites enviados pela atual Diretoria Executiva do Mixto Esporte Clube ao Conselho Deliberativo, em nenhuma ocasião qualquer membro da ex-Diretoria do Conselho Deliberativo se fez presente, como foi na inauguração da Revista do Alvinegro, na apresentação do Elenco para disputa da Copa sub-21, no fórum do Mixto Esporte Clube, ou seja, uma verdadeira indelicadeza e retaliação contra o atual presidente Paulo Cesar Camargo Ramos (Gatão).
 Com relação à informação sobre a prestação de contas do atual exercício, o qual a ex-diretoria do Conselho relata que não foi realizada pela atual Diretoria Executiva do Mixto Esporte Clube, mais uma vez  a ex-diretoria Conselho Deliberativo do Clube falta com a verdade, uma vez que a atual Diretoria executiva sempre trabalhou com uma total transparência com relação a prestação de contas do exercício de 2014 até os dias atuais. Na ocasião foi apresentada  aos membros do Conselho Deliberativo e ex-Diretoria  todas as contas (despesas e receitas), notas fiscais e recibos em uma apresentação realizada pelo conselheiro João Paulo Martins Viana, sendo que o mesmo fez uma apresentação detalhada de todos os gastos desde dezembro de 2014 até abril de 2015. 
Posteriormente na última página da 2º edição da Revista do Mixto Esporte Clube também foi divulgada publicamente para toda a nação Mixtense, a prestação de contas e balanço financeiro do Mixto Esporte Clube. Logo é com estranheza que a Diretoria do Clube recebe este tipo de factoide colocado pela ex-Diretoria do Conselho Deliberativo de não apresentação de contas da atual diretoria.
Já quando a ex-Diretoria do Conselho Deliberativo acusa inveridicamente a atual Diretoria executiva de não respeitar o Estatuto do Clube, com relação as assinatura de contratos e parcerias. Observa-se que em nenhum momento a Diretoria Executiva desobedeceu ao seu estatuto, uma vez que consta no estatuto do Mixto, paragrafo VII do Artigo 44 a seguinte redação
 Art. 44 – Compete ao Conselho Deliberativo:
Parágrafo VII – Autorizar a aquisição ou alienação de bens móveis, assim como a celebração de contratos para prestação e tomadas de serviços, com valores acima de quatrocentos salários mínimos.
 A loja oficial do Mixto foi montada com expectativa de vendas em torno de R$ 20.000,00/mês, e esta informação foi devidamente repassada para a ex-Diretoria do Conselho Deliberativo na ocasião  pelo próprio dono da Tubarão Sports, em uma reunião convocada pela ex-diretoria do Conselho, o qual pelo simples fato de  multiplicarmos por 12 (um ano) a projeção de lucro, chegaremos ao total de R$ 240.000,00/ano, ou seja, um valor bem abaixo do valor consignado e determinado no estatuto atual do Clube, que é  de até 400 (quatrocentos) salários mínimos (equivalentes a R$ 315.200,00(Trezentos e Quinze Mil e Duzentos Reais).
A mesma situação se repete com a citada parceria de futebol nominada pela Mesa diretora do Conselho de empresários "pastores" de São Paulo. O próprio nome já diz, parceria, ou seja, quando falamos em parceria, é notório dizer que a relação entre entes podendo ser de indivíduos/empresas/Associações com objetivo de alcançar os resultados desejados a um custo otimizado, sendo bom para ambos os parceiros. Logo, esta parceria em nenhum momento fala em terceirização da parte administrativa e esportiva, conforme esta sendo ventilada por alguns sites e vendedores de notícias difamatórias do Mais Querido. Sendo assim, há todo um custo para ambas às partes, sendo que o custo dos empresários se restringe ao custeio e despesas com os jogadores e comissão técnica e a contrapartida do Mixto Esporte Clube nesse contrato se resume a apenas transporte e alimentação, valor este bem abaixo dos 400 (quatrocentos) salários mínimos.
                 No quesito citado pelo Conselho Deliberativo de Desrespeito as relações fraternas entre os conselheiros, infelizmente e apesar de vários mediadores terem tentado uma aproximação entre a ex-Diretoria do Conselho e a atual Diretoria Executiva, é público e notório que os membros da ex-Mesa Diretora do Conselho Deliberativo nunca aceitaram a chapa vencedora (Gestão 100% Cuiabano), pois conforme é sempre colocado em discussão, a ex-diretoria do Conselho Deliberativo sempre quis assumir o Clube, o qual o ex-presidente do Conselho até informou que a sua pessoa e mais 06 apoiadores tinham interesse e tocariam o Clube, porém como sempre nunca apresentou nenhum tipo de garantia financeira e econômica, para assumir o Clube, ficando apenas com conversas paralelas e verbais infelizmente.
Em momento algum a ex-Diretoria do Conselho se colocou como parceira da Diretoria Executiva, sempre preferiram fazer oposição ferrenha, tentando de todas as maneiras desqualificar a pessoa do Presidente, sempre patrocinados e orquestrados pelo sitewww.mixtonet.com, o qual infelizmente só vive postando artigos difamatórios contra o Clube.
Esta celeuma se agravou ainda mais quando lamentavelmente foi presenciado por um Conselheiro do Clube, no estádio Eurico Gaspar Dutra, no jogo do Mixto versus Luverdense pelo Campeonato Matogrossense de 2015, alguns ex-diretores do Conselho Deliberativo torcendo contra o Mixto Esporte Clube (vibraram com o gol de empate do time adversário) e começaram a desqualificar os próprios atletas Mixtenses com xingamentos, atitude esta, não compatível com o cargo. Diante disso, o mesmo Conselheiro indignado e não conformado com a atitude desleal de alguns diretores do Conselho Deliberativo comunicou o episodio a Diretoria Executiva do Clube e infelizmente solicitou o seu desligamento do Conselho  depois desse episódio deplorável de pessoas que se dizem amantes e torcedores do Mixto Esporte Clube.
No caso de abandono do programa Sócio torcedor, o qual a diretoria do Mixto é acusada injustamente, mas uma vez verifica-se a maldade expressa em palavras da ex-diretoria do Conselho Deliberativo, uma vez que este Programa Sócio torcedor foi lançado com o intuito deve trazer benefícios ao sócio-torcedor Mixtense, como ingresso gratuito ou com preço diferenciado ao sócio-torcedor, descontos em farmácias, cinemas, postos de combustíveis, programa de milhas entre outras coisas.

 Conforme o mesmo foi lançado anterior a atual gestão do clube, e sem os devidos cuidados com transparência, legalidade jurídica, obrigatoriedade de concessão de benefícios ao sócio-torcedor por meio de parcerias, verificou-se que o Programa sócio torcedor do Mixto para o seu sócio não tinha nenhuma finalidade do que fora proposto, pois o sócio-torcedor estava apenas pagando sua mensalidade, porém sem usufruir de nenhum tipo de beneficio, ou seja, não recebia ingresso algum gratuito conforme acordado (uma vez que não tinha nenhum acordo ou parceira entre o Mixto e a FMF para conceder gratuidade conforme apresentação de carteirinha de sócio), bem como não tinha nenhum desconto por ser sócio torcedor do Mixto e nenhum tipo de prestação de contas por parte do Programa. Sendo assim a maioria abandonou o Programa sócio torcedor, dentre os quais os primeiros a saírem e deixarem de pagar foram os próprios reclamantes da ex-Diretoria alegando estes motivos expostos.
 Também gostaríamos de informar que a ex-Diretoria do Conselho Deliberativo faltou com a verdade quando cita que tentou uma aproximação com a atual diretoria do Clube, viabilizando um escritório central  com mobílias para a atual diretoria executiva. Pois na verdade, alugaram uma sala na Rua Dom Aquino em péssima localização, pois como sabemos esta Rua não tinha aonde estacionar veículo.
 A sala comercial era totalmente inapropriada, já que não possuía nenhum tipo de acessibilidade aos portadores de necessidades especiais e idosos, e por fim com uma estrutura totalmente imprópria, pois era a última sala (para subida somente tinha uma escada íngreme de metal com ínfimos pés de apoio) e para completar a péssima escolha, no fundo tinha cachorros bravos que ficavam latindo incessantemente sem parar, por fim sem ar condicionado ou ventilação alguma dentro da sala, ou seja, impossível de realizar uma reunião.  O fato interessante é que a ex-Diretoria do Conselho se quer apresentou a sala ou fez alguma reunião na mesma, já que era os Conselheiros do clube que bancavam o aluguel desta sala, o qual posteriormente sem qualquer prestação de contas da ex-Diretoria do Conselho foram obrigados a entregar a sala, por abandono e descrédito da maioria dos Conselheiros em colaborar com as mensalidades para gestão da ex-Diretoria do Conselho Deliberativo.
 Lembrando que a mobília foi comprada com o dinheiro obtido do pagamento das mensalidades do programa sócio-torcedor e não com o dinheiro das mensalidades do Conselho Deliberativo, como sempre, sem a devida ciência e autorização dos sócios-torcedores, dos Conselheiros e da atual Diretoria, ou seja, apenas deliberada pela Diretoria do Conselho Deliberativo, o qual se deu, sem tomada de preço (cotação de 03 orçamentos) e sem apresentação de notas fiscais e prestação de contas dos materiais de escritórios comprados para os membros do Conselho Deliberativo.
 Com relação a pesquisa de Marketing encomendada, novamente a ex-Diretoria do Conselho Deliberativo agiu de forma arbitraria e impositiva, uma vez que esta pesquisa se quer foi proposta em assembleia aos membros do Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva, mas apenas impetrada pelos Diretores do Conselho Deliberativo a um preço de R$ 4.000,00 reais, novamente sem a devida cotação e tomada de preço, bem como, sem a apresentação de nota fiscal para prestação de contas aos demais conselheiros do Clube. Também informamos que este dinheiro foi pago do pagamento das mensalidades do programa sócio-torcedor e não com o dinheiro das mensalidades do Conselho Deliberativo, bem como sem a devida ciência dos sócios-torcedores, Conselheiros e Diretoria autorizando e avalizando a tal pesquisa.
Contudo sabemos que uma pesquisa deve ser bem elaborada, definida e com os objetivos de sua confecção, logo esta pesquisa de marketing encomendada e apresentada em uma reunião do Conselho Deliberativo não continha nenhum objetivo específico, não possuía intervalo de confiança para fidedignidade dos resultados encontrados, não citava o tipo de estudo/pesquisa, nem  qual metodologia foi aplicada, nenhum registro de publicação, termo de consentimento livre e esclarecido, ou seja, era apenas dados tabelados e colocados em uma apresentação de Power Point. Cabe esclarecer que no quadro atual da Diretoria do Clube temos mestre e doutores, porém se quer foram avisados para colaborar sobre a proposta de se desenvolver uma pesquisa desta amplitude para o Clube.

 Já com relação a parte jurídica do Mixto Esporte Clube, hoje sabemos que todos os substabelecimento  de ações jurídicas e acordos estão sendo realizado pelo Dr. Ademar Vilarindo, o qual vem desenvolvendo um ótimo trabalho a frente das questões jurídicas do Clube, já que em gestões anteriores o Mixto Esporte Clube perdeu várias ações ajuizadas a revelia. Infelizmente, dias atrás tivemos uma ação que não foi comunicada ao Dr. Ademar Vilarindo, onde o Mixto e a Federação Matogrossense de Futebol foram condenados a pagar para um ex-atleta da base do Clube, porém este fato era do pleno conhecimento de alguns dos ex-Diretores do Conselho Deliberativo, que atuavam na gestão do ano de 2011, porém não se prontificaram a ajudar o clube a se defender desta ação ajuizada.
Também lembramos que a atual Diretoria já foi atrás das dívidas trabalhistas do clube, bem como o corpo Jurídico já está desenvolvendo um amplo trabalho neste sentido, porém como sabemos são dividas trabalhistas de gestões anteriores, as quais precisam de receitas volumosas e certas de recebimento para se fazer um acordo com a justiça, pois não adianta se fazer um acordo com a justiça e não cumprir o acordado devido a falta de recursos financeiros
                        Diante disso, nos colocamos a disposição dos verdadeiros Mixtenses e desde já agradecemos imensamente pelo apoio e já prestamos as nossas Saudações Alvinegras.

  Atenciosamente,

Paulo Cesar Camargo Ramos
Presidente do Mixto Esporte Clube

Fonte: Site Oficial do Mixto E.C.
03/10/2015

0 comentários :

Postar um comentário

Atenção: comentários anônimos não serão aceitos. Identifique-se!