ENTREVISTA: Presidente Walter fala de parceria com faculdade e comissão técnica


Presidente Walter Fernandes
Pouco mais de dois meses à frente da presidência do Mixto, Walter Fernandes busca parcerias para montar um elenco forte visando o Campeonato Mato-grossense de 2017. A diretoria trabalha nos bastidores e uma parceria com uma empresa de plano de saúde já foi definida. Nos próximos dias, o clube espera fechar com uma faculdade particular para montar o departamento de marketing, fisioterapia, educação física e jornalismo. 

Definindo sua gestão como “pés no chão e com muita responsabilidade”, o mandatário Alvinegro acredita definir os parceiros até final de novembro, para montar o planejamento de contratações e formar o elenco para a próxima temporada. 

- Estamos perto de fechar uma importante parceria com uma faculdade, o que buscamos ainda são parceiros que possam contribuir com recursos financeiros. Esses parceiros serão importantes para formularmos o elenco do ano que vem. Ao pensar em contratações, vamos reunir toda comissão técnica e analisar a mais favorável e com as qualidades técnicas que o Mixto possa voltar a ser forte – disse o presidente Walter Fernandes.

Há sete anos sem conquistar o estadual, o Tigre da Vargas deve manter 15 atletas da base para a disputa do Mato-grossense do ano que vem - atualmente esses jogadores disputam a semifinal da Copa FMF Sub-21. Além dos jogadores, o treinador Gianni Freitas também deve permanecer e ficar à frente da equipe profissional.

- O Gianni fica para comandar a equipe ano que vem, a comissão técnica também não deve sofrer nenhuma mudança. Temos que atender o que o treinador pede, o meu direito como presidente é cobrar, porém não podemos interferir no processo.

Visando calendário e verbas para o ano que vem, o Mixto está na semifinal da Copa FMF Sub-21, e tem o Dom Bosco como adversário. O campeão da Copinha garante vaga para a disputa da Copa do Brasil de 2017. Os representantes do mato-grossenses na competição nacional garantem uma verba inicial de R$ 200 mil (valor recebido em 2016, para o ano que vem essa verba deve ser maior), o que alivia a situação dos clubes, já que apenas Cuiabá e Luverdense vivem uma boa situação financeira. 

Fonte: Globo Esporte / Derik Bueno e Robson Boamorte
27/10/2016