Candidatura de Antero não vinga e presidente do Mixto tende apoiar a chapa do Cuiabá. Conselheiros questionam


Se dentro de campo o Mixto vive relativa tranquilidade após a primeira vitória no campeonato e folga na tabela - só volta jogar dia 12, fora de campo os bastidores estão movimentados. O motivo, a eleição da Federação Mato-grossense de Futebol.

Como o nome inicialmente apontado pelo Mixto não deu certo - Antero Paes de Barros achou inviável a candidatura, o voto do Tigre ficou em aberto. 

Existem duas chapas registradas para o pleito, a do atual presidente João Carlos, em composição com um grupo de gestores que promete remodelar o futebol regional; e a do presidente e proprietário do Cuiabá, Aron Dresh, em composição com Helmute Lawisch do Luverdense e Agnaldo Turra do Sinop. 

O presidente do Mixto, Walter Fernandes, declarou que deve apoiar a chapa encabeçada por Aron Dresh. Mesmo caminho seguido pelo diretor de futebol Márcio Pardal. Por outro lado, os conselheiros do clube reclamam que o voto mixtense ainda não foi debatido e a decisão precisaria ser tomada após análise coletiva do melhor caminho para o Mixto. 

Já parte dos torcedores do Alvinegro não gostaram de saber que o presidente do Mixto tende a apoiar a chapa do Cuiabá para presidir a federação, visto que é um clube que historicamente brigou nos bastidores contra os interesses do Tigre. 

A eleição está marcada para o dia 16 de maio. Possuem direito a voto as 10 equipes da Série A, as 6 equipes da Série B e 7 ligas amadoras. 

Fonte: Mixtonet
01/03/2017