86 ANOS: A EMOCIONANTE HISTÓRIA DO TIGRE CUIABANO

 No coração do Centro-Oeste
nasce uma paixão em Preto e Branco 

Em plena Cuiabá da década de 1930, no centro geodésico da América Latina, nascia o clube que tempos depois se tornaria o Mais Querido de Mato Grosso, símbolo esportivo e cultural da “Cuiabania”.

A história do Mixto Esporte Clube se confunde com a história de Cuiabá no século passado, sendo parte das tradicionais marchas carnavalescas e festas populares. O Mixto se tornou o orgulho dos cuiabanos, levando o nome da cidade por vários cantos do Brasil, até os dias de hoje. Fortificando-se como o clube das massas, do sotaque, da culinária, das crenças e do modo de vida do cuiabano.

 Uma História Emocionante 

Dia 
20 de maio de 1934, na Rua Sete de Setembro, no centro de Cuiabá, quase em frente à Igreja Senhor dos Passos, mais especificamente na antiga Livraria Pepe (um casarão construído em estilo colonial e tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) é fundado o ‘Mixto Sporte Club’ (Assim era a grafia original do nome do clube).

Reunidos neste casarão, Zulmira Dandrade Canavarros, Maria MalhadoGastão de MatosNaly Hugueney de SiqueiraAvelino Hugueney de Siqueira (Maninho) decidiram fundar um clube esportivo. Mas estavam determinados que essa agremiação fosse diferente das existentes: um clube que reunisse homens e mulheres para o entretenimento cultural e esportivo, algo incomum para a época, na qual os clubes esportivos eram majoritariamente para homens. O Mixto começa como um time de voleibol e dois anos após a criação tem seu departamento de futebol criado por Ranulpho Paes de Barros.



 As Raízes do clube 

Dois outros clubes influenciaram na criação do Mixto E.C., o Clube Esportivo Feminino (dedicado a discussões e saraus sobre a literatura mato-grossense, brasileira e europeia) e o Clube Esporte Pelote (liderado por Nali Hugueney e também por Zulmira Canavarros).

O Pelote era um time de vôlei feminino que funcionava numa quadra de esportes no bairro da Boa Morte, próximo à antiga sede do Mixto, entre as ruas Cândido Mariano e Campo Grande. Ao final dos jogos de vôlei, eram realizados no mesmo local bailes tradicionais, que continuaram como tradição na vida do clube alvinegro.

Já o Clube Esportivo Feminino foi fundado em 1928 pela professora Zulmira Canavarros, que liderando um grupo de moças cuiabanas criou um clube para recreação, esporte e cultura. Após a fundação do Mixto, ambos se separaram em suas trajetórias, tornando o Mixto um clube centrado no lazer esportivo e o Clube Feminino no lazer cultural. O Clube Feminino possui sua sede na Rua Barão de Melgaço, esquina com a rua Campo Grande, próximo à antiga sede do Mixto, num casarão tombado pelo Patrimônio Histórico de MT.

Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres. Assim começa o legado do Mais Querido.

 A origem do nome e as cores 

Decididos pela criação do novo clube, Zulmira e demais lideranças debruçaram-se a escolher um nome e as cores para o clube. Várias opções de nomes surgiram mas o consenso era o nome MIXTO. Essa palavra tem o significado de mistura de coisas diferentes ou opostas, mas complementares. O nome representava perfeitamente a ideologia do novo clube, formado sem preconceitos, por mulheres e homens.


Segundo a grafia atual da língua portuguesa, o vocábulo “misto” deve ser escrito com "S". No entanto, o uso da letra "X" no lugar do "S" se deve ao fato de que na época da criação do clube a palavra era grafada dessa forma. Os tempos mudaram, houve reformas ortográficas na língua portuguesa alterando a grafia de diversas palavras, inclusive dessa, mas preservou-se a grafia original do nome do clube, alterando com o tempo o restante do nome: de 'Sporte Club', para 'Esporte Clube'.

As cores do Mixto não podia ser outra senão o preto e branco. Duas cores opostas mais ao mesmo tempo essenciais. Branco e preto, homens e mulheres, assim nasce as cores do Alvinegro mais querido do centro-oeste.

 A Construção da Sede Mixtense 

O Patrimônio Mixtense passou a ser prioridade de suas lideranças e de seus associados, que crescia rapidamente quantidade. Assim, levantaram recursos que foram investidos na construção de uma sede física e de espaços recreativos e esportivos.

O trecho abaixo foi retirado do livro Egéria Cuiabana, de Benedito Pedro Dorileo (1976), e narra este fato:

"A Sede própria passa a ser logo a primeira preocupação e no mesmo ano é adquirido de João Batista de Oliveira, Batinga, o imóvel da Rua Cândido Mariano, com recursos provindos dos primeiros associados. Uma área, com pequeno alojamento, cercada por um muro, tinha ingresso por um portão, que ostentava ao lado o emblema criado por Zulmira; seria o símbolo bordado nas jaquetas e na bandeira do Clube. A identificação geográfica estava definida (...). O entusiasmo já era intenso com poucos dias de existência do Clube, que nascia forte. A 18 de setembro do mesmo ano (1934) inaugurava solenemente a quadra de esporte, com palavras da 1ª Oradora Maria Alderett”.

 Discurso de inauguração
da Sede Mixtense 

"Meus Senhores,

Escolhida, embora imerecidamente para o honroso cargo de oradora do Mixto Sport Club, eis-me escalada para esta delicada missão de dizer-vos algumas palavras no momento em que a bandeira alvi-negra se desfralda galhardamente.

Inaugura o nosso Club o seu campo desportivo, marco decisivo de sua vida brilhante e auspiciosa, que ora se abre à frente de nosso grêmio.

O prestígio de que goza o Mixto Sport Club no nosso meio está significativamente testificado pela presença a esta festa dos elementos dos mais representativos da sociedade cuiabana.

O desenvolvimento da cultura physica é um índice de progresso e de aperfeiçoamento das raças e dos povos e é com satisfação que assignalamos em nosso meio êste phenômeno promissor.

Em nome do Mixto Esporte Clube eu vos agradeço a honra da Vossa presença a êste acto e encerro esta ligeira oração com os votos a Deus para que propicie à nossa agremiação longa vida, cheia de prosperidade e de graças, para o bem de nossa terra natal e progresso cada vez maior do Brasil".

Discurso de Maria Alderett (primeira oradora do Mixto), publicado no Livro Egéria Cuiabana - de Benedito Pedro Dorileo - Ed. 1976

 O Mixto Sporte Club agora se apresenta
com um dos mais belos hinos do Brasil 

Com o auxílio do piano, Zulmira Canavarros compôs o hino oficial do Mixto, com assistência do Acadêmico Ulisses Cuiabano:
***
O Mixto Sporte Club
Agora se apresenta.
E pelo branco e negro,
As cores que ostenta
No seu pavilhão.

Seremos sempre unidos
E sempre destemidos.
Havemos de lutar
E também trabalhar
De todo coração.

Hurra! Hurra!

O Mixto Sporte Club
Será o lema
Desta nossa sociedade.
A união e também a lealdade.

Debaixo do nosso céu de anil,
Tremula altaneira
Nossa gentil bandeira.
E pelo sport, em nossa Cuyabá,
Teremos por fanal,
Luctar, luctar, luctar
Por nosso ideal.



 Quem foi Zulmira Canavarros 

Era exímia musicista e também escrevia peças de teatro. Projetou-se numa época em que a mulher não tinha muitas chance de mostrar o seu valor.

Zulmira está entre as mulheres mais marcantes da história da cultura cuiabana, umas das fundadoras do Mixto Esporte Clube, e criadora da obra de arte que é o hino do clube alvinegro, ela dirigiu 18 peças entre elas “Branca de Neve” em Cuiabá e “Cala a boca Etelvina” (os arquivos estão localizados no Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso).

"A considero como um esteio das manifestações culturais do século 20”, relata Adriana Nascimento, que estudou sobre Zulmira. Um dos trabalhos de Zulmira que mais chama a atenção é a peça "A noiva e a égua”, em que a artista mostra em sua visão como eram “noivas”, criadas para serem submissas e as mulheres “égua”, que eram as rebeldes na época. Personalidades que, segundo Viviane, Canavarros sabia dosar muito bem. Todo o trabalho pode ser conferido na Biblioteca Central da UFMT.

Zulmira Canavarros é uma personagem que realmente merece a redescoberta de sua obra. Como musicista nos tempos do cinema mudo, ela atuava como pianista do Cine Parisiense. Compunha músicas e hinos para solenidades numa época em que a mulher tinha pouco destaque no cenário artístico nacional. Marcou a história de Mato Grosso onde, juntamente com Dunga Rodrigues, começou a desenvolver o rasqueado no piano solo. Zulmira ainda foi a fundadora do primeiro clube feminino (1928), depois o Mixto Esporte Clube e a rádio A Voz do Oeste.
Fonte: Fábio Ramirez/Mixtonet, com informações de Benedito Pedro Dorileo e Adriana Nascimento/Diário de Cuiabá

Postar um comentário

0 Comentários