GILSON PAULINO É AGREDIDO APÓS A DERROTA CONTRA O SINOP. (Atualizada)



No dia de seu aniversário – ‘comemorado’ nesta segunda-feira (7) o técnico Gilson Paulinho merecia um presente melhor. Após a derrota de 3 x 0 para o Sinop, em plena Arena Pantanal, na tarde de domingo, e protestos da torcida que se virou de costas para o gramado, o treinador mixtense foi agredido.

Segundo informações de membros da diretoria alvinegra, Gilson Paulino estava em um restaurante próximo à Arena, jantando após o jogo, quando foi surpreendido por um torcedor que estaria bêbado.

Este torcedor, não satisfeito em xingar o treinador, partiu para as vias de fato e o agrediu com socos e ponta-pés, sendo contido por demais membros da comissão técnica.

O vice-presidente co clube, Niltinho Assunção, disse agora a pouco que não estava no local da agressão e vai procurar apurar melhor o ocorido.

“Eu estava na Arena fechando o borderô do jogo quando vieram me falar. Vamos ver o que aconteceu para tomar as medidas cabiveis”, disse o dirigente.

Niltinho não confirmou se o torcedor seria também membro de uma das várias diretorias existentes no clube. A reportagem apurou que se trata de uma pessoa ligada ao departamento de futsal. Ninguém confirmou o nome.

Um dos nomes citados – Bebeto – preferiu não atender o telefone.

Sobre o destino ou paradeiro do treinador Niltinho disse não ter qualquer informação.

“Pra falar a verdade nem sei onde ele está”, disse, não confirmando também a demissão de Paulino.

Com 9 pontos na tabela de classificação e superado pelo Cacerense no saldo de gols, o Mixto precisa vencer seus dois próximos jogos (Poconé e Operário) e secar os adversários diretos para se classificar.

"ELE ME AMEAÇOU DE MORTE". DISSE GILSON PAULINO

O técnico do Mixto Gilson Paulino, confirmou agora a pouco o nome do dirigente que tentou agredi-lo na noite de domingo, após a derrota de 3 x 0 para o Sinop. “Foi um diretor do clube, um tal de Bebeto. Ele me ofendeu e partiu pra cima. Só não levei a pior porque seguraram ele. Estava totalmente desequilibrado”, disse.

Paulinho deu detalhes do fato e aproveitou para desabafar sobre as dificuldades no clube.

“Eu estava jantando, após o jogo, num restaurante próximo a Arena quando ele chegou me xingando e tentou me agredir. Não é nenhum torcedor, é dirigente.  Isso é um absurdo. Tem que ter respeito pelo profissional. Jogamos sem vários titulares. A coisa tá difícil. Falta transporte para os jogadores e as vezes até comida; os salários atrasando, mas, apesar de todas as dificuldades decidimos permanecer, unir o grupo em busca da classificação, mas assim fica difícil”, disse, para em seguida denunciar.

“Vou registrar um Boletim de Ocorrência na Polícia, porque esse cidadão me ameaçou de morte. Quero reunião urgente com a diretoria. Assim não dar pra ficar”, desabafou o treinador.

Fonte: Oliveira Júnior/ craques do rádio