"Um pênalti que não existiu, é brincadeira", reclama diretor na Rádio Industrial


Aos 43º minutos do 2º tempo, Rodrigo da Fonseca assinala pênalti duvidoso que decide o jogo
O primeiro clássico dos milhões do ano pelo Campeonato Mato-Grossense, foi marcado por muitos gols, e reclamações da arbitragem, por parte da diretoria do Mixto, que se disse prejudicada depois da marcação de um penalti aos 43 minutos do segundo tempo, à favor do Operário VG, quando a partida estava 2x2.

A bronca do Tigre, seria por conta de um lance marcado pelo árbitro Rodrigo da Fonseca, no fim do segundo tempo, quando entendeu que o volante Pará teria cometido penalti, depois de uma falta dentro da área. Com a penalidade, o jogador do Mixto que já tinha cartão amarelo, acabou expulso. Com um jogador a menos, o Mixto sofreu a virada do Operário VG, e no fim do jogo, muita reclamação.

- Isso o que aconteceu aqui hoje é uma vergonha. Colocar um árbitro como esse, sem experiência para apitar um jogo dessa importância como é um Mixto e Operário, é no mínimo usar de má fé para com o Mixto. Um jogo dessa grandeza, o certo é ter um juiz mais experiente, aí me vem ele e me marca um pênalti que não existiu, é brincadeira isso aqui. disse um dirigente do Mixto em entrevista a Rádio Vida MT.

O próximo compromisso do Tigre pelo estadual será no próximo domingo, dia 5 de fevereiro, contra o Sinop fora de casa.


Veja os lances polêmicos:


Fonte: Israel Prates / Globo Esporte. Foto: Lucas de Senna / GE
29/01/2017