Vídeo: Rebaixamento e distância dos gramados - um ano para esquecer (Live MixtoNet)

1

Um comentário:

  1. Para mim já desisti desse discurso de preocupação com o futebol de Mato Grosso, como se os demais clubes estivessem preocupados com o Mixto. Não estão. Se depender dos clubes que estão em alguma série do Brasileirão, estaduais não têm mais interesse. A decisão da maioria dos clubes de não realizarem a Copa FMF no segundo semestre de 2020 foi uma jogada imoral para não terem que disputar em campo, como preconizado pelo calendário oficial, a terceira vaga. Sem o Mixto, era um adversário a menos para dar trabalho. A terceira vaga, no caso, seria do terceiro colocado no Mato-Grossense de 2020, que ficou hipoteticamente para o Luverdense, e o Dom Bosco, que seguiu a manada e perdeu a disputa do terceiro lugar, se ferrou, pois perdeu para o Luverdense e ficou sem a vaga (vai apelar para a Justiça porque o Luverdense desistiu da Série D e não teria direito a participar da Copa do Brasil, como penalização).
    Nova Mutum e União ficaram com as duas vagas da Série D de 2021. Lembrando que o União, que já disputou a Serie D em 2020, foi o oitavo e ÚLTIMO colocado do seu grupo na primeira fase (fez apenas sete pontos, enquanto o Altos, do Piaui, fez 30). Olha só a diferença.
    Quanto ao Mixto, não adianta ficar apenas secando os adversários estaduais. O calendário de 2021 será bem restrito. A Segunda Divisão de um campeonato estadual como o Mato-Grossense é algo bem pouco atraente, mas é conveniente que a diretoria atual tenha em mente que é mais que obrigação do clube entrar para ganhar esse torneio e subir de novo para a Primeira Divisão do Estadual. Nao se deve ser arrogante, mas é impossível e mesmo ridículo no futebol de hoje jogar modestamente e achar que isto tem futuro. Não tem futuro, até porque não existe mais time modesto. Todo mundo quer ganhar do Mixto. Hoje, com as séries colocadas hierarquicamente, e tendo os estaduais apenas como degrau obrigatório pelas federações e pela CBF, ganhar e vencer é obrigação para todos. Vejam o caso do time do Ação, time lá de Santo Antônio. Todo mundo que conheço de Leverger é mixtense ou operariano. Leverger não tem 16 mil habitantes.... Com todo o respeito ao Ação, pois chegou por mérito onde chegou, isto apenas significa que falta ao Mixto ambição mesmo. Arrogância não deve existir, mas modéstia não cabe mais em lugar algum no mundo das competições profissionais, até porque não tem lugar nem nas amadoras. Em 2021, o Mixto vai disputar o acesso com Atlético Mato-Grossense e Santa Cruz de Barra do Bugres, sendo que o Atlético teve caso até de perder jogo por WO em 2020, tal a fragilidade. O Atlético, até onde sabe, é uma escolinha de futebol, de um professor de educação física (com todo o respeito, cabe ao Mixto se impor). Como o Cacerense desistiu de disputar a Segunda Divisão do estadual em 2020, não se sabe se vai disputar este ano (torcemos pelo bom futuro do Cacerense, pois a torcida em Cáceres sempre apoiou o Mixto quando jogou lá pelo Brasileirão e até porque muitos cacerenses que moram aqui são mixtenses). Mas até para se impor diante de clubes sem qualquer tradição e sem torcida (exceção ao Cacerense, que tem as duas coisas), é preciso se organizar mesmo. Serão poucos jogos, até mesmo sem atratividade, mas deve-se ter em mente que a finalidade é subir para a Primeira Divisão e para isto não se pode, de jeito algum, facilitar montando elenco ruim e com jogadores irresponsáveis e sem compromisso. Ganhar a Segunda Divisão será mais que obrigação. O elenco do Sub 19, que seria hipoteticamente a base para a Segundona, deve ser tratado com exigências, pois, como lembrou Sergio Santos, nesta faixa etária não dá mais para tratar jogador de futebol como iniciante.
    O ano de 2021 deverá mesmo ser de reestruturação da sede, definição de campo de treinamento, pagamento das dívidas na Justiça do Trabalho, mobilização dos torcedores (fantástico o movimento da torcida este ano, mesmo sem calendário favorável, imagina com calendário), para chegar ao final do ano com tudo pronto para um Estadual com um Mixto mais estruturado, forte e agressivo em 2022.

    ResponderExcluir