domingo, 26 de junho de 2022

“Temos que chegar em 1º para mandar 2 jogos em casa”; Será outra ‘Copa do Mundo’, diz Dorileo, sobre a Copa FMF

2


Ao analisar a tabela da Copa FMF, que terá largada no final de agosto, com sete equipes brigando por duas vagas em competições nacionais na próxima temporada — Série D do Brasileiro e Copa do Brasil — o gestor do Mixto Esporte Clube, Dorileo Leal, repetiu o discurso usado antes do início do Estadual da Segunda Divisão — competição que o Alvinegro foi campeão invicto. 


“São nove jogos para ser campeão, é outra Copa do Mundo”, disparou.


Como a competição seletiva será disputada por pontos corridos, a previsão é de um maior equilíbrio.


“Temos que chegar em primeiro para mandar dois jogos em casa no Quadrangular, somente um fora” alertou o dirigente, que, ao lado de Antero Paes de Barros, assumiu o comando clube, por um período de 10 anos, com o objetivo de reconduzir o Alvinegro às competições nacionais. 


A meta é conquistar a Copinha e disputar o Campeonato Brasileiro da Série D da próxima temporada.


Regulamento da Copa FMF

De acordo com o que foi aprovado pelos dirigentes, em reunião do Conselho Arbitral, a primeira fase será disputada em turno único, com todos os clubes se enfrentando, em jogos dentro de um mesmo grupo.


Os quatro primeiros colocados avançam ao quadrangular final, que também será disputado em turno único, e em pontos corridos. Ao final, a equipe que terminar com a melhor campanha na Segunda Fase, será a campeã, podendo então escolher como prêmio, entre a vaga para o Campeonato Brasileiro da Série D/2023 ou a na Copa do Brasil.



Fonte: Oliveira Júnior/Jornal A Gazeta. Foto: Francisco Alves. Ilustração tabela: A Gazeta

Author Image
Publicado por: MixtoNet

O MixtoNet é um portal mixtense independente, impulsionado pela torcida. Encontrou algum erro, tem sugestão de matéria? Envie para nós: mixto@mixtonet.com

2 comentários:

  1. Sistema de disputa em que cada jogo é uma decisão, valendo para o primeiro e para o segundo turno. No Mixto, havendo clareza de que cada jogo é uma decisão, a manutenção do forte elenco da Segunda Divisão com a chegada de mais reforços de alto nível é o caminho para encurtar a chegada ao Brasileirão. Caberá ao Mixto, com a gestão, diretoria e equipe técnica trabalhando em conjunto, a consolidação de um elenco forte técnica, tática e psicologicamente para entrar em campo e decidir a cada partida, a cada jogada. Na Segunda Divisão, o Mixto mostrou que tem qualidades, mas precisa arrumar detalhes e ter noção de que a Copa FMF terá um nível de exigência maior.

    ResponderExcluir
  2. Estamos num pequeno grupo de mixtenses (tem ainda um palmeirense e um corinthiano, mas ambos paulistas torcendo pelo Mixto e palpitando) aqui revisando o que foi a Segunda Divisão. O que foi algo até surpreendente na Segunda Divisão: a) o jovem elenco do Sinop, que mesmo ficando pelo caminho mostrou que tinha algum nível de organização, a ponto de fazer gol dentro do Dutrinha e forçou o Mixto a elevar a pressão para fazer 2 a 1, b) o elenco com alguns "nomes nacionais" do Campo Novo, alguns jogadores já lesionados e em aposentadoria, mostrando que isto funciona mais diante de equipes muito novas e sem experiência, como a do Paulistano, e o próprio Mixto já passou por esta experiência pouco efetiva em anos anteriores na Série C, c) o jovem elenco do Cáceres, que apesar de muito inferior tecnicamente ao Mixto arriscou com aquele gol do meio de campo e acabou complicando o Tigre, que reafirmou superioridade com os 3 a 0 no jogo de volta no Dutra, d) o também jovem elenco do Cacerense, que acabou criando dificuldades para o Mixto na final (sem ameaçar muito, fez um gol sem maiores pretensões de escanteio, mas que poderia ter dado outro rumo ao campeonato). Primeira observação: a Segunda Divisão em 2022 teve nível maior do que em 2021, o que foi puxado pela maior organização do próprio Mixto. A lição dois é que todo mundo quer ganhar do Mixto, e parece que em alguns momentos parte do elenco do Mixto sentiu o fato de outros times, com elencos menos qualificados tecnicamente, terem tido a audácia de encarar o elenco do Tigre. Cabe um trabalho psicológico mais forte junto aos jogadores, que Odil com certeza sabe lidar muito bem com isto. A lição 3 é que o Mixto não se intimidou em jogar fora de casa, com torcida contra, e cumpriu o seu papel, o que deve se repetir na Copa FMF. Lição 4: o Mixto, se reforçando ainda, vai encontrar equipes mais agressivas, em termos de ataque, na Copa FMF, e deve lidar também agressivamente com seus adversários, jogar pra cima e com marcação mais forte ainda do que na Segundona, lição 5: Segundona nunca mais, e torneios estaduais devem mesmo ser encarados de fato como Copa do Mundo. Mudou a visão de gestão, mudou o Mixto. Continuar crescendo em todos os aspectos. Agradecimentos a todos que trabalharam e trabalham pelo Tigre. Bora, Mixto!

    ResponderExcluir