quinta-feira, 10 de março de 2022

Morre Almiro, ídolo do Mixto que jogou ao lado de Pelé no Santos

0

O ex-jogador nasceu no dia 28 de fevereiro de 1948 em Cuiabá. Almiro iniciou sua carreira no Mixto em 1965


Um dos maiores ídolos do Mixto Esporte Clube, Almiro Antônio Gonçalves, morreu nesta quarta-feira (09) aos 74 anos em Salvador, na Bahia. Atualmente Almiro estava cego das duas vistas e também fazia hemodiálise, mas acabou não resistindo e falecendo.


O ídolo do Mixto  nasceu no dia 28 de fevereiro de 1948 em  Cuiabá. Almiro iniciou sua carreira no Mixto em 1965, onde foi campeão mato-grossense invicto, formando o poderoso ataque com Sinfrônio, Lito, Ruiter e Jaburu. Depois, Almiro jogou no Santos Futebol CLube (de 65 a 70), contratado após um torneio em Corumbá - que à época ainda fazia parte do estado de Mato Grosso - ao se destacar atuando pela Seleção Cuiabana. O que deu muito orgulho para os mato-grossenses, por ter um cuiabano jogando ao lado do rei Pelé.


Depois do Santos Almiro jogou no Bangu AC (de 70 a 71), e na sequência no EC Vitória de Salvador (de 71 a 74), onde formou ataque com Osnir, Beijoca e Mário Sérgio Pontes de Paiva, onde também foi ídolo. Ele ainda jogou no Belenense, em Portugal, e no Vitória de Guimarães (de 1974 a 1981), onde encerrou a carreira. Almiro deixa esposa e dois filhos. 


Da esquerda para a Direita: Almiro, Pelé e Abel (em treino no Santos FC). 


Correção de uma injustiça


O agora sócio-investidor e torcedor do Mixto, Antero Paes de Barros, disse ter a oportunidade de ser amigo de Almiro e de toda sua família, já que ele foi levado para o Tigre quando seu pai, Ranulpho Paes de Barros, era presidente do Alvinegro.


“Eu tive a oportunidade de evitar uma enorme injustiça no final da vida do Almiro, porque quando ele ficou cego das duas vistas o governo Dante de Oliveira concedeu a ele uma pensão, que hoje equivale a pouco mais que um salário mínimo. Contudo essa pensão, depois de muito tempo, foi cortada pela justiça. Então eu tive a chance de como advogado atuar na causa pro-bono, exclusivamamente pela amizade que sempre tive por ele e pela família. Dessa forma, com auxílio imprescindível da minha filha Patrícia Paes de Barros, fizemos uma ação para reestabelecer a pensão e conseguimos no Supremo Tribunal de Justiça e depois confirmado pelo Supremo Tribunal Federal, através do ministro Gilmar Mendes. Com isso, podemos dizer que mesmo tendo partido ele deixa uma aposentadoria para a esposa".


Antero disse ainda que é um momento muito triste para o futebol de Mato Grosso e que o Mixto está enlutado pela perda de Almiro, que era irmão de Armindo, que tinha o apelido de Pelé, e Ariel, que jogaram no Mixto, e primo de Leônidas, que foi o maior jogador da história do Mixto Esporte Clube. “É simplesmente deste atleta que a gente está falando, ele tinha muitos amigos em Cuiabá e tenho certeza absoluta de que os que viveram nessa época estão sofrendo com a partida do Almiro”.


Mixto 1965 - Tira ( Júlio César), Pelé, Edmundo, Severino, Felizardo, Glauco, Ademir Moreira, Rômulo, Ruiter, Almiro, Lito, e Albino.


Homenagem – Terceiro Tempo: Milton Neves (Que Fim Levou) 


Almiro, o Almiro Antônio Gonçalves, nasceu no dia 28 de fevereiro de 1948, é natural de Cuiabá (MT) e foi atacante do Santos FC de janeiro de 1966 até junho de 1970, mora hoje em Salvador (BA) e lá foi um bom guia turístico-receptivo em ônibus que conduzem os visitantes em tours pelas históricas ruas da capital baiana. Mas acabou se aposentando por falta mínima de visão.


Detalhe: Almiro hoje está cego, em 95%, mas ainda descreve como ninguém tudo sobre Salvador, onde viveu e jogou por anos e anos. E como o itinerário era sempre o mesmo, ele se tornou um dos mais competentes guias turísticos de lá. E observem abaixo que o currículo de Almiro, que escaneamos para aqui publicar, foi redigido pelo próprio ex-atacante do Santos com a ajuda do equipamento que auxilia os deficientes visuais a escrever. À época da carta (2001) Almiro ainda tinha por volta de 20% de visão. O percentual foi descendo até sua situação atual de cegueira quase total.


Almiro está aposentado desde 1998 devido aos citados problemas visuais. Ele mora no bairro Ribeira, na Península de Itapagipe, "atrás do bairro do Bonfim, dos dois cartões postais mais lindos da Bahia, no berço da cidade de Salvador com suas praias lindas e casarões seculares?, escreveu o próprio Almiro.


Falando inglês, espanhol e italiano, que aprendeu em cursos profissionalizantes, ele está feliz da vida e sempre lembrando dos times onde jogou: Mixto EC de Cuiabá-MT (1965), Santos FC (de 65 a 70), Bangu AC (de 70 a 71), EC Vitória de Salvador (de 71 a 74) e no Vitória de Guimarães de Portugal (de 1974 a 1981), onde encerrou a carreira.


Almiro é casado, tem dois filhos e começou a perder a visão ao receber uma cotovelada no rosto num jogo do Vitória de Setúbal, de Portugal, e um time da então Tchecoslováquia, em 1980, pela Copa da Uefa.

Pelo Vitória de Guimarães (Portugal), clube que defendeu entre 1974 e 1981 (Treceiro Tempo)

´


Fonte: Wisley Tomaz / Pnb Online

Author Image
Publicado por: MixtoNet

O MixtoNet é um portal mixtense independente, impulsionado pela torcida. Encontrou algum erro, tem sugestão de matéria? Envie para nós: mixto@mixtonet.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário